Andar a cavalo pode parecer, para muitos, apenas uma atividade de lazer, um hobby, uma profissão. Mas, quem visita o Instituto Horsoul, em Itu (SP), sabe que a equitação pode ser muito mais que uma prática voltada apenas para o lazer.

O Instituto Horsoul é uma organização sem fins lucrativos que atende crianças e adultos portadores de necessidades especiais e suas famílias usando um tipo de terapia com cavalos chamada Equitação Terapêutica Sistêmica. Trata-se de uma terapia similar, mas não igual, à equoterapia. Os pacientes são atendidos de maneira integrada, pois montam a cavalo juntamente com outros pacientes. Eles descobrem juntos os benefícios que o vínculo afetivo com o animal proporciona através de exercícios, passeios e atividades lúdicas. São pessoas com histórico de hiperatividade, déficit de atenção, timidez, pânico e outros sintomas que encontram na prática da equitação terapêutica um caminho possível para a superação pessoal.

A psicanalista, terapeuta familiar e instrutora de equitação Claudia Poci foi a idealizadora do Instituto Horsoul em 2011. “Comecei a abordagem me voltando para o grande herói da história, que é o cavalo. O cavalo nos ensina muito sobre respeito e transmite o que chamamos de espelhamento, ou seja, se você está triste e se aproxima do cavalo, ele se deprime, fica parado. Se você o monta muito excitado, ele fica excitado. Se está com medo, o animal fica paralisado. Se está com raiva, vai instigar a raiva nele. Isso é importante no trabalho que realizo com meus pacientes. Ao invés do divã, os convido a montar um cavalo, conta Claudia.

Uma das diferenças entre a Equitação Terapêutica Sistêmica e a mais tradicional Equoterapia é a questão da integração com a família. “A família faz parte da evolução do paciente. Não adianta tratar o paciente e entregá-lo para a família, que está doente. Muitas mães nem sabiam o que o filho tinha, não sabiam o que era autismo, por exemplo. Os médicos cuidam dos pacientes, e não das famílias. Faltava esse esclarecimento, esse cuidado, então conosco, essas famílias são convidadas para participar de sessões de equitação na fazenda”, explica a psicanalista. Outra diferença é que, na equoterapia, o paciente não pega as rédeas do cavalo e a pessoa que o acompanha vai de costas. Na Equitação Terapêutica Sistêmica, o paciente segura as rédeas do cavalo e seu acompanhante vai ao lado.

 

 

Passo a passo

O trabalho realizado pelo Instituto Horsoul é totalmente vivencial e desenvolve o relacionamento entre a criança e o animal, trazendo à tona elementos formadores de autoestima, disciplina, coragem e sociabilidade, além de trabalhar a consciência e percepção corporal. Além de melhoras no aspecto emocional, o trabalho com o cavalo propicia também progressos fisicos. O cavalo tem uma marcha, um ritmo; você tem que ter postura, firmeza, olhar sempre para frente. Isso nos ajuda a trabalhar com pessoas que precisam recuperar seu ritmo, como pacientes que sofreram um AVC, por exemplo. O resultado é uma melhora significativa no aspecto geral do paciente e sua família.

Cada sessão no Instituto Horsoul conta com, no mínimo, 6 cavalos. Em cima de cada cavalo vão deficientes visuais, pacientes com síndrome do X Frágil, outros com paralisia cerebral, autistas, amputados, e até pacientes sem diagnóstico definido. Os encontros são constantes, cada sessão dura meia hora e os pacientes são estimulados a fazer carinho no cavalo e interagir uns com os outros. Os resultados da terapia são surpreendentes. Havia criança que nem falava com a mãe e hoje já diz eu te amo!.

“O grande lance do cavalo é que a alegria… a alegria abre portas para a memória, atenção, troca, afeto. É completamente diferente ajudar os pacientes em cima de um cavalo e dentro de uma sala fechada. Usamos o mundo em volta para chamar a atenção do paciente. Nosso objetivo é que ele saia do Instituto conseguindo pegar um ônibus, atravessar a rua e prestar atenção se vem um carro em sua direção. Eles têm que saber que o mundo lá fora tem perigos e como vão resolver, afirma Claudia.

Atualmente, o Instituto Horsoul conta com 7 voluntários e atende gratuitamente 60 famílias às quintas-feiras, sextas-feiras e aos sábados. Os profissionais prestam atendimentos para a Escola de Cegos de Itu, para os pacientes da APAE de Itu, Porto Feliz, Cabreúva e Monte Mor, além de pacientes indicados por outros profissionais. Vale lembrar que a Equitação Terapêutica Sistêmica é indicada para todas as idades e também trata problemas como insônia, ansiedade, medo, agressividade, estresse, dificuldades familiares, entre outros. Conheça mais sobre o Instituto Horsoul em http://institutohorsoul.org