É tudo uma questão de matemática. Para sua alimentação ser balanceada, as proporções de cada alimento devem estar bem claras. A regra é simples: recomenda-se ingerir até 9 porções de carboidrato, 3 de proteína, 5 de vegetais e 5 de frutas por dia.

Mas como fazer isso na prática? É aí que a pirâmide alimentar entra em cena. Criada em 1992 pelo USDA (sigla em inglês do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), ela é utilizada para orientar e incentivar hábitos saudáveis, além de prevenir doenças. O formato triangular ajuda na compreensão das proporções adequadas de cada grupo alimentar na dieta diária. Os alimentos são divididos em oito grupos, de acordo com o nutriente em destaque de cada grupo, e os grupos ficam distribuídos em quatro níveis na pirâmide, de acordo com a quantidade de porções que devem ser consumidas diariamente.

Além da alimentação, ainda vale ressaltar a importância da prática de atividade física diariamente, fatores que, associados, contribuem para um estilo de vida saudável, fundamental tanto para a prevenção como para a promoção de uma boa saúde e qualidade de vida.

A Wickbold desenvolveu um infográfico da Nova Pirâmide Alimentar para ajudar nas escolhas conscientes do dia a dia e levar o #sabordeumavidamelhor a todos. Confira em INFOGRÁFICO NOVA PIRÂMIDE ALIMENTAR

Os alimentos presentes na pirâmide alimentar são divididos em quatro grupos. Eles nos ajudam a entender melhor como funciona a escolha das porções na hora de montar o prato:

  1. Energéticos: São os carboidratos, principais fontes de energia do corpo. Como estão na base da pirâmide, devem ser consumidos em maiores quantidades (veja as porções diárias na imagem acima). Opte sempre por fontes mais saudáveis, como grãos, pães integrais e cereais.
  2. Reguladores: Estão presentes logo acima dos carboidratos na pirâmide e são importantes para o funcionamento do organismo, além de prevenirem doenças. Fazem parte desse grupo as vitaminas e os minerais, presentes nas frutas e verduras.
  3. Construtores: O grupo acima dos reguladores são as fontes de proteína. Responsáveis pela força dos músculos, tecidos e ossos, são representados pelo leite e derivados, carne, ovos e legumes.
  4. Energéticos extras: Estão no topo da pirâmide, ou seja, devem ter um consumo limitado porque, em excesso, fazem mal à saúde. Entre eles estão os óleos e as gorduras e os açúcares e doces.

A nutricionista Viviane Polacow ensina: O consumo exagerado de alimentos do topo da pirâmide pode trazer desequilíbrio e ganho de peso. Por outro lado, eles podem fazer parte da dieta sem problemas, desde que sejam respeitadas as proporções.

Assim como 2 + 2 são 4, ter uma alimentação balanceada é uma questão de cálculos e proporções. O desafio é colocar esses números em seu prato. Como você faz isso no seu dia a dia?

Fontes:

Philippi ST. Redesenho da Pirâmide Alimentar Brasileira para uma alimentação saudável. São Paulo, 2013.

Disponível em: http://www.piramidealimentar.inf.br/pdf/ESTUDO_CIENTIFICO_PIRAMIDE_pt.pdf