Existe uma fase na vida da criança em que é normal apresentar o mesmo comportamento em relação à alimentação. Às vezes ela come demais, e, em outros momentos, não quer comer nada. O ingrediente preferido hoje, passa a não ser mais querido no dia seguinte. A dificuldade em aceitar novas preparações também é comum. Identificou seu filho em alguns desses hábitos?

Geralmente, esse período ocorre entre os 2 e os 6 anos de idade. Porém, os pais podem enfrentar dificuldades em adequar o cardápio dos filhos até mesmo antes dessa fase. Por conta da importância da formação dos hábitos alimentares na infância, é fundamental que a qualidade das refeições seja prioridade. Algumas ações podem te ajudar a reverter esse quadro preocupante:

1. Ofereça um novo alimento de oito a dez vezes. Mesmo que a criança recuse no início, esse contato é necessário para que ela passe a aceitá-lo.

2. É normal os pequenos apresentarem variações no apetite de acordo com o cansaço, temperatura ambiente e consumo anterior. Preste atenção neles e evite situações que comprometam a fome, criando um ambiente calmo e agradável para as refeições principais.

3. Sempre que possível, varie a forma de preparo e apresentação dos alimentos. Textura, cor e aroma também podem estimular o apetite.

4. Evite oferecer recompensas, ou chantagear e castigar seu filho para que ele coma. Também fuja das comparações com outras crianças. Cada um apresenta um comportamento, e para mudar os hábitos alimentares é preciso paciência.

5. Estabeleça horários fixos para as refeições e lanches. Isso ajuda a educar o corpo para ter apetite nos horários certos e funcionar de forma mais equilibrada.

6. Comer muito em uma refeição compromete o apetite no prato seguinte. Mesmo que em um momento específico seu filho demonstre mais fome, procure equilibrar as quantidades.

7. Evite servir porções muito grandes, baseadas na quantidade de comida do adulto. O estômago da criança é bem menor. Ofereça pequenas quantidades, e pergunte se ela quer mais. Obrigá-la a “raspar o prato” só vai criar uma aversão maior ao momento da refeição.

8. Consumir líquidos durante a refeição (principalmente bebidas com gás) pode favorecer a dilatação do estômago. Isso faz com que o cérebro indique que o corpo está satisfeito. Com a sensação de estar supostamente cheia, a criança para de comer. Evite oferecer líquidos nesse momento, priorizando a hidratação entre as grandes refeições.

Com as dicas acima, é possível iniciar pequenas mudanças nos hábitos alimentares dos pequenos. Sempre pensando em mais saúde e qualidade de vida para eles!