Você tenta seguir uma dieta à risca, mas logo cede para as tentações? Ou, então, diz que não tem tempo para praticar exercícios? Na correria do dia a dia você prefere opções mais rápidas de refeições e alimentos industrializados?

Uma pesquisa recente da Consumers International (CI) – federação internacional de organizações de consumidores -, realizada em seis países, mostra que quase nove em cada dez brasileiros (cerca de 88%) subestiman as consequências de hábitos alimentares prejudiciais.

Pode parecer difícil adaptar-se a uma nova rotina de alimentação e exercícios, mas se você se organizar, será cada vez mais fácil. ”Monte seu sanduíche, com pão integral, vegetais e proteínas, ou congele algumas preparações para não precisar cozinhar todos os dias”, explica a nutricionista Liane Buchman, da Clínica BodyHealth – Bodytech Eldorado.

“No início o paladar pode estranhar os alimentos, a comida pode parecer menos salgada ao reduzir o sal, mas com o tempo você perceberá que ficará tudo mais gostoso ao substituí-lo por ervas aromáticas, como orégano, alecrim, salsinha e cebolinha”, diz.

Além de prevenir doenças cardiovasculares e promover mudanças estéticas, os alimentos saudáveis têm a capacidade de diminuir o estresse, a insônia e melhorar o humor.

Para ter uma vida mais equilibrada e não deixar a desculpa sabotar sua alimentação, a nutricionista Liane Buchman revelou as seguintes dicas:

Movimente-se: pratique exercícios de intensidade moderada, de 30 a 60 minutos, cinco vezes por semana. Ou exercícios de intensidade vigorosa, de 20 a 60 minutos, três vezes por semana.

A água é sua amiga: a água é fundamental para todas as reações que ocorrem no organismo. Ela protege contra infecções e ajuda a eliminar toxinas. A hidratação é mais eficiente quando gradual, ou seja, beba água com frequência.

Prato mais verdinho: coloque verduras, legumes e frutas todos os dias no seu cardápio. O consumo de vitaminas e minerais são importantes para o metabolismo, imunidade e fibras (principalmente para a saúde intestinal e saciedade).

De tudo um pouco: o desenho do prato também pode ajudar bastante nas escolhas dos alimentos. O prato deve conter cerca de 50% de vegetais, 25% de carboidratos e 25% de proteínas. Pense nisso em restaurantes por quilo.

Dia do lixo: esqueça o “dia do pé na jaca” ou “dia do Detox”. O ideal é ter prazer em viver com hábitos mais saudáveis, sem cometer ou compensar os excessos.

Não estou de dieta: tire da cabeça que você está de dieta só por escolher alimentos mais saudáveis e praticar exercícios. Adote isso como um estilo de vida, assim você se sentirá feliz, terá mais energia, saúde, disposição, sono melhor e intestino funcionando bem.

Alimento integral não é tudo igual: na hora da compra, é importante saber interpretar os rótulos dos produtos. A lista de ingredientes descritos é feita em ordem decrescente, ou seja, o que tem mais aparece na frente. Na tabela nutricional, verifique a quantidade de fibras por porção. O ideal é que tenha cerca de 3 g de fibra.

Fontes: Consumers International (CI) e Liane Buchman, nutricionista da Clínica BodyHealth – Bodytech Eldorado.