Aquela comidinha que alimenta não só o corpo, mas também aquece a alma e traz uma nostalgia boa, uma lembrança da infância ou de um bom momento.

O termo de origem americana pode ser traduzido como “comida de conforto” ou “comida emocional”. Geralmente rica em carboidratos e gorduras, as comfort foods são os pratos que remetem às emoções de conforto e acolhimento. A gemada da vovó, a canja de galinha preparada pela mãe ou aquela macarronada com gostinho de domingo em família. Pudim de leite, bolo de chocolate, batata frita… É extensa a lista das comfort foods preferidas dos brasileiros.

As massas estão entre as comfort foods mais queridas.

Mas nem toda comfort food é necessariamente guloseima. Para a nutricionista clínica Maria Flavia Sgavioli, é possível preparar pratos deliciosos com apelo emocional que também sejam nutritivos e saudáveis. “A macarronada, se for feita com uma massa artesanal e um molho de tomate caseiros, tem valor nutricional positivo.”, diz.

“O chocolate pode se encaixar em comfort food com bom valor nutricional, afinal os que tem mais de 70% de cacau são ricos em magnésio e nutrientes super antioxidantes.”, diz Maria Fernanda Cortez, da Nutri&Consult.