Você já parou para pensar como são cultivados os grãos, sementes e outros ingredientes presentes em nossos alimentos preferidos? Alguns são mais fáceis, outros um tanto mais difíceis. Uns nascem dentro de frutos, outros em plantações que não ultrapassam 2 metros de altura e em árvores que chegam a 20m. Resolvemos buscar como é o cultivo do gergelim, castanha de caju e da macadâmia.

Gergelim: Ao ver uma plantação de gergelim, dificilmente você associa a planta ao produto final. Suas sementes – que são consumidas e produzidas desde a Mesopotâmia e o Egito, e vieram ao Brasil através dos colonizadores portugueses no final do século XVI – só são extraídas das vagens que ficam no caule da planta quando ela começa a secar. Os produtores as colocam de “cabeça para baixo” depois de cortadas e o gergelim cai sozinho em uma lona colocada abaixo da secagem.

Depois, pode-se produzir o óleo ou consumir a semente em si, que traz inúmeros benefícios ao corpo.

Macadâmia: Sua origem é australiana, mas se espalhou para o mundo através do Hawaii – no Brasil, sua produção ainda é pouco difundida. Ela dá em árvores que possuem o mesmo nome (dado em homenagem a um amigo de seu descobridor, o político John Macadam) e são compostas de três partes. A amêndoa é a parte que apresenta sabor acentuado, sendo consumida e usada na produção de óleos.

Recentemente, um engenheiro agrônomo brasileiro descobriu que, se for cultivada junto com o café, a macadâmia pode ser colhida em 5 ou 6 anos, metade do tempo normal de colheita, já que suas raízes se desenvolvem de forma mais rápida na sombra e adubo dos pés cafeeiros.

 

Castanha-de-caju: Sempre há confusão quando o assunto é este: para esclarecer, basicamente o caju é um fruto colhido do cajueiro e, dele, se extraí a castanha e o pseudofruto que conhecemos como a própria fruta, o caju.

Quase toda a produção brasileira acontece nos Estados do Ceará, Piauí e Rio Grande de Norte. As plantas consideradas grandes chegam a 15 à 20 metros de altura e produzem até 10 mil frutos por safra, que vão das castanhas amarelas às vermelhas. Já imaginou?

E então? O que achou das curiosidades? Fica até mais gostoso consumir estes alimentos sabendo de sua origem não acha?

Por Lucas Tavares