“I’m a 75-y-o grandpa living in Brazil. My 3 grandkids live in Korea & NY. I learned Instagram to draw everyday for them. Grandma writes the stories”. “Sou um avô de 75 anos vivendo no Brasil. Meus 3 netos moram na Coreia e em Nova Iorque. Conheci o Instagram para desenhar para eles todos os dias. Vovó escreve as histórias”.

Assim se apresenta em sua conta no Instagram Chan Jae Lee, um senhor de 75 anos que, por trás de cada ilustração que faz, constrói um pedacinho de sua história para contar, lá na frente, para os netos que hoje moram longe.

Chan nasceu na Coreia, mas veio para o Brasil com a mulher e seus dois filhos em 1981, mas depois de alguns anos, sua filha voltou para a Coreia e, seu filho, para os Estados Unidos. Com o nascimento do neto mais novo, veio a preocupação do filho em não ter mais seu pai aqui quando o filho estivesse grande. Foi então que surgiu a ideia de ver seu pai se comunicar com seus netos através das suas ilustrações. Bastaria colocá-las no Instagram, app que já é febre no mundo inteiro. Não foi fácil convencer Chan, que é um pouco avesso a tecnologias. Entretanto, aos poucos, convencido pela família, o talentoso vovô foi postando suas belíssimas ilustrações na rede social.

Hoje, o perfil do vovô Chan tem mais de 230 mil seguidores. Junto a cada imagem, a mulher de Chan escreve um texto para as crianças. As palavras contam um pouco do dia a dia da família, recordam lembranças de um tempo distante (“Chegamos em SP no verão de 1981. Olhando para trás vejo que eu era um jovem de 40 anos que não sabia falar nada de português e era também pai de duas crianças, uma de 10 e outra de 6 anos… O que me chamou a atenção não foi a abundância de mercadorias, mas sim os homens. Quando vi que homens saíam para fazer a feira vestidos com roupa tipo sunga não podia estar mais feliz. Uau! Como assim…? Não havia preocupação nem olhares desconfortantes, parecia tudo tranquilo…), oferecem conselhos de avó e arriscam belas reflexões (“Seu avô nunca ganhou um presente de Natal quando era pequeno. Isso porque éramos muito pobres durante a Guerra da Coreia e também porque nem sabíamos que Papai Noel existia. Ainda hoje eu gostaria de pendurar meias (na lareira, para ganhar presentes), como vocês fazem”).

Você pode conferir o lindo e delicado trabalho do vovô Chan em sua página no Instagram:

instagram.com/drawings_for_my_grandchildren