Oficializado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1977, o Dia
Internacional da Mulher é comemorado desde o início do século 20, porém durante todos
esses anos, seu estilo de vida mudou muito. Nos dias atuais elas assumem grandes
responsabilidades, e precisam conciliar a vida pessoal com a profissional, ocupando os
mais variados e importantes tipos de cargos e, sendo maioria entre os novos
empreendedores do Brasil, de acordo com o SEBRAE.
Com tantas atividades, para se manterem ativas e produtivas, é importante
investir na saúde! Por isso, nesse Dia Internacional da Mulher, queremos falar sobre os
cuidados de dentro para fora em cada fase da vida.
DOS 10 AOS 19 ANOS
Essa é uma fase de crescimento com desenvolvimento físico e cognitivo. Por
isso, é importante uma alimentação variada, com a quantidade adequada de proteínas,
para formação dos tecidos; carboidratos para garantir energia, e gorduras para a
formação de hormônios. Nessa fase, ocorre a menarca (primeira menstruação) e
acontecem várias mudanças corporais, por isso alguns nutrientes merecem atenção,
como o ferro, devido a perda de sangue durante a menstruação; o zinco, que auxilia no
crescimento e na maturação sexual; e a vitamina D e cálcio, que garante a saúde dos
ossos.
Dos 20 aos 60 anos
Iniciando a vida adulta, a mulher deve manter os cuidados com a alimentação,
mas também deve começar a pensar a longo prazo, visando a prevenção de doenças
e um envelhecimento saudável. Nessa fase, está a idade fértil da mulher, que se deseja
engravidar, deve se atentar à alguns nutrientes para garantir o bom desenvolvimento
do bebê. Entre os nutrientes, se destacam o ácido fólico, que pode ser encontrado em
leguminosas e folhas verde-escuras, e o ferro, que pode ser encontrado em carnes e
leguminosas, como o feijão e a lentilha.
A partir dos 30 anos, as mulheres iniciam um processo de perda de massa
óssea, e devem dar maior atenção ao consumo de cálcio, para prevenir a osteopenia
(diminuição de massa óssea), que pode levar até à osteoporose. O cálcio pode ser
encontrado em alimentos como leite e derivados ou folhas verde-escuras.
A partir dos 50 anos, ocorre a menopausa, período que acabam os ciclos
menstruais. Isso gera diversas alterações hormonais com sintomas, que podem ser
amenizados com as isoflavonas, que são encontradas principalmente na soja.
A PARTIR DOS 60 ANOS
Aqui se inicia a terceira idade, e com ela ocorre o aumento da perda de massa
muscular, o que pode dificultar as tarefas do dia a dia e por isso, o consumo de
proteínas é fundamental. Nessa fase, também pode ocorrer a dificuldade de absorção
de alguns nutrientes, como a vitamina B12, e aumentar o risco de deficiência dessa
vitamina. Tanto a proteína quanto a vitamina B12 podem ser encontradas em alimentos
como carnes, ovos, leites e derivados.
Alguns outros nutrientes são importantes nessa fase, como os antioxidantes,
presentes nas frutas e o ômega 3, que além de anti-inflamatório, pode ser positivo para
a saúde cerebral, e é encontrado principalmente nos peixes, sementes de linhaça e
chia.
Agora que você já sabe como manter a saúde em cada fase da vida, nesse dia
internacional da mulher, cuide da mulher mais importante de todas: você!

Referências:
HOWES, Laurence G.; HOWES, Jan B.; KNIGHT, David C. Isoflavone therapy for menopausal
flushes: a systematic review and meta-analysis. Maturitas, v. 55, n. 3, p. 203-211, 2006.
MÉNDEZ-SÁNCHEZ, Lucía et al. Calcium and vitamin D for increasing bone mineral density in
premenopausal women. The Cochrane database of systematic reviews, v. 2017, n. 5, 2017.
SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Empreendedorismo
feminino como tendência de negócio. Disponível em:
<https://m.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/UFs/BA/Anexos/Empreendedorismo_femini
no_como_tend%C3%AAncia_de_neg%C3%B3cios.pdf> Acesso em: 6 de mar. 2020.
SEKHAR, Deepa L. et al. Association between menarche and iron deficiency in non-anemic
young women. PloS one, v. 12, n. 5, 2017.
UM – United Nations. womens-day. Disponível em:
<https://www.un.org/en/observances/womens-day/background> Acesso em: 6 de mar. 2020.
UNICAMP, Nepa. Tabela brasileira de composição de alimentos–TACO. 2011.