As gorduras fornecem energia, contribuem para o funcionamento das células e participam de vários processos do nosso organismo, como a proteção dos órgãos, formação de hormônios e transporte de vitaminas. Seu consumo é muito importante, inclusive para os praticantes de atividades físicas. Elas são divididas em dois grupos:

Gorduras insaturadas (mono e poli-insaturadas):

Chamadas informalmente de “boas”, são aquelas encontradas naturalmente nos óleos, castanhas e peixes, e estão relacionadas com o auxílio do equilíbrio das gorduras do corpo (colesterol e triglicérides) e, consequentemente, com a proteção do coração.

Gorduras saturadas:

Chamadas informalmente de “ruins”, elas contribuem com o aumento das gorduras no sangue e, assim, colaboram para o aumento do colesterol e maior risco de desenvolvimento de doenças do coração.

Todo tipo de gordura, seja “boa” ou “ruim”, apresenta 9 kcal por grama. Esse valor é mais do que o dobro das calorias das proteínas e carboidratos e, por isso, elas devem ser consumidas com qualidade e moderação. Segundo a I Diretriz sobre o Consumo de Gorduras e Saúde Cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia, as gorduras devem representar de 25 a 35% das calorias totais ingeridas no dia, sendo que as gorduras saturadas devem corresponder, no máximo, a um percentual entre 7 e 10% do valor calórico total.

Uma das fontes de gordura boa são as oleaginosas, ou castanhas. Elas são alimentos considerados nobres devido à presença de variados nutrientes em quantidades relevantes, como por exemplo vitaminas e minerais. Saiba mais sobre elas aqui.

Fonte: rg nutri.