A prática regular de atividade física traz bem-estar físico e mental, além de contribuir para o bom funcionamento do coração, da circulação sanguínea, da respiração e até dos hormônios.

Estudos científicos confirmam que pessoas fisicamente ativas apresentam menor risco de desenvolver problemas mentais do que os indivíduos sedentários, além de a atividade física apresentar efeitos benéficos na prevenção e tratamento da pressão alta, da elevação do colesterol, da diabetes e da obesidade.

Antes da prática de qualquer atividade física é essencial consultar um médico e realizar exames laboratoriais que confirmem que o indivíduo esteja apto para praticar exercícios. No entanto, de maneira geral, atividades informais, como caminhar, subir escadas, pedalar e dançar podem apresentar benefícios à saúde.

Uma boa frequência de exercícios aliada a uma alimentação adequada pode ter boa influência no rendimento, no desempenho esportivo e na saúde do praticante de atividade física — afinal, quando consumidos em quantidades adequadas e nos momentos corretos, os nutrientes são capazes de oferecer energia para a prática, bem como a recuperação de tal energia e a reconstrução dos músculos após as sessões de treinamento, evitando possíveis desgastes e lesões. Cabe lembrar, ainda, que os praticantes de atividade física devem se alimentar de acordo com a atividade praticada, intensidade, frequência e duração da mesma.

Uma alimentação balanceada tem como base a variedade. Ela inclui o consumo de frutas, hortaliças, cereais integrais, proteínas (carne, frango, peixe, ovo, leite, queijos e iogurtes) e alimentos ricos em gorduras boas (castanhas, nozes, peixes, azeite) e baixo consumo de alimentos ricos em açúcares e gorduras. Manter uma dieta equilibrada contribui para os resultados positivos dos exercícios para o organismo.

Saiba mais sobre o que comer antes e depois do treino. A escolha pode fazer diferença no rendimento e no resultado dos exercícios físicos.

Fontes: I. http://www.cdc.gov/physicalactivity/basics/pa-health/; II. http://www.eufic.org/article/en/expid/types-of-exercise/; III. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922006000200011&lng=pt&nrm=iso&tlng=pthttp://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922006000200011; IV. http://www.scielo.br/pdf/rbme/v10n4/22048; V. http://www.scielo.br/pdf/csc/v15s2/a02v15s2.pdf; VI. http://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5070728.