O acarajé foi criado na Babilônia, há milhares de anos? E a feijoada, veio da Espanha? Responder essas curiosidades do mundo da culinária é a missão do livro Quem colocou o Filé no Wellington?, lançado recentemente no Brasil. Em 192 páginas, o autor James Winter (chef e apresentador do programa Saturday Kitchen, no canal inglês BBC) busca explicar como alguns pratos famosos foram batizados. Você sabe, por exemplo, o motivo de a famosa salada Caesar ter esse nome?

A feijoada, segundo o autor, não foi trazida ao Brasil pelos escravos, como muitos acreditavam. Na verdade, ela é uma adaptação de uma receita espanhola, feita com feijão branco. Na falta deste ingrediente por aqui, os portugueses o substituíram pelo grão preto. No livro, há um relato da descoberta de uma nota fiscal emitida em 1889 em um açougue, listando as carnes suínas compradas pelo Império para preparar o famoso prato. Já a atual forma de preparo, acompanhada de torresmo e farofa, foi lançada pelo restaurante G. Lobo, no Rio de Janeiro, durante o século XIX.

O brasileiríssimo acarajé já era preparado na Babilônia, e veio para o Brasil após os árabes levarem o prato para a África, durante o século VIII. Hoje, ele está tão inserido na cultura baiana que muitos acreditam que a iguaria é típica do País verde-e-amarelo!

Quem colocou o Filé no Wellington? ainda conta a história de outros pratos ilustres, como a salada Caesar, a torrada Melba, o frango Marengo, as ostras à Rockefeller e a pizza Margherita. Além de descobrir a origem dos nomes, você ainda aprende um pouco mais sobre a criação dessas receitas.

O livro foi publicado no Brasil pela Editora Melhoramentos, e custa R$ 59. Que tal se inspirar para preparar as clássicas receitas em casa?

Por Lucas Tavares