Dores de cabeça que atrapalham – e muito – a qualidade de vida de quem sofre com frequentes crises, a enxaqueca está entre os incômodos mais comuns do mundo. Hereditária, ela pode ser causada por diversos fatores, como ansiedade, jejum prolongado, noites mal dormidas, estresse e variações hormonais. A boa notícia é que, com a alimentação correta, é possível prevenir o problema!

Para entendermos como estas crises acontecem e também como elas são influenciadas pela alimentação, conversamos com a neurologista Mariluzia Zuany Rangel, do Hospital das Clínicas de Niterói, e com a nutricionista Rosangela Lima, do Hospital São Lucas.

A neurologista explica que, a partir do momento em que a enxaqueca é diagnosticada, é preciso realizar uma série de mudanças no estilo de vida.  “Praticar atividades físicas leves ou moderadas, adotar uma dieta leve, não pular refeições e não mudar horários de sono são as principais necessidades”, conta. Ela destaca que é importante estar atento aos fatores individuais, que podem desencadear uma crise. “Se chocolate causa dores, é melhor evitar. Se for a longa exposição ao sol, também. E assim por diante”.

Alimentação correta contra as dores

Um cardápio saudável pode ajudar a minimizar a possibilidade de sofrer com as fortes dores de cabeça. “Beber água é fundamental. Os grãos integrais, que são ricos em magnésio, também são grandes aliados”, conta a nutricionista. Ela também cita a linhaça e os peixes magros – ricos em ômega-3 –, as frutas não ácidas, o arroz integral e alimentos ricos em antioxidantes como boas opções.

Se muitos alimentos ajudam a prevenir a enxaqueca, alguns podem, pelo contrário, aumentar as chances de crise. “Itens ricos em aminas (embutidos, fermentados, queijos maturados, chocolates), cafeína (café e refrigerantes) e gordura devem ser evitados. O mesmo vale para as bebidas alcoólicas e ingredientes que possuam nitratos e nitritos (carnes curadas, peixes em conserva, patês, caviar)”.

Para garantir uma rotina sem incômodos, a recomendação das especialistas é manter a alimentação equilibrada sempre, independente das crises. E lembre-se: é importante procurar um médico para realizar um tratamento adequado e ganhar mais qualidade de vida!

Por Lucas Tavares