As nozes produzidas no Chile, o tipo de noz mais consumida no Brasil, são também conhecidas como nozes persa, pois eram consumidas pela realeza do povo persa há milhares de anos. O seu sabor agradável propicia o seu uso em preparações doces e salgadas, além de dar um crocância extra às receitas.

Essas nozes fazem parte do grupo das oleaginosas, assim como a castanha-do-pará, castanha-de-caju, amêndoa, pistache, macadâmia e noz-pecã. Todos esses alimentos são facilmente encontrados em todos os continentes há anos e, atualmente, são recomendados para fazerem parte de hábitos alimentares saudáveis pelo seu alto valor nutricional.

As nozes chilenas são ricas em manganês, um mineral que participa da formação dos ossos e ainda do sistema de defesa. Além desse mineral, também sao fontes de compostos antioxidantes, que protegem o corpo da ação de susbtâncias (radicais livres) que podem danificar as células do corpo. As nozes têm sido destaque de estudos entre as oleaginosas quando se fala de proteção do coração, afinal a maioria dos estudos feitos com esses alimentos verifica que o consumo regular das nozes auxilia na manutenção da saúde do coração.

Apesar de serem alimentos do mesmo grupo, cada uma apresenta predomínio de determinados nutrientes, então a sugestão é variar os tipos e incluí-los no dia a dia, como lanches intermediários e também em preparações como bolos, pães, granolas, saladas e tortas. As nozes chilenas, por exemplo, são ricas em manganês e uma importante fonte de compostos antioxidantes, além de ser uma das oleaginosas de destaque em relação à proteção do coração.

Referências bibliográficas:

  1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.  Guia alimentar para a população brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção. 2014.
  2. Crews R, Vattem DA. The Role of Nuts in Coronary Heart Disease. Int J App Resear Nat Prod. 2015;8 (4), 1-4.
  3. Philippi ST. Pirâmide dos Alimentos: fundamentos básicos da nutrição. Ed Manole. 2008;1:213-216.
  4. United States Department of Agriculture – Agricultural Research Service Nutrient Database for Standard Reference. 2001; 14.