Desde 2002 no Brasil, Outubro Rosa é uma campanha de conscientização que busca alertar a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama. Descubra, abaixo, formas de prevenção e cuidados contra a doença que mais atinge mulheres no mundo.

O câncer de mama é uma doença resultante da multiplicação de células anormais da mama. Esta multiplicação forma um ou mais tumores que podem invadir outros órgãos.
Umas das melhores maneiras de evitar a enfermidade é realizar acompanhamento médico com exames preventivos, como o ultrassom de mamas e a mamografia.

O diagnóstico da doença, quando ainda em estágio inicial, aumenta as chances de cura e pode evitar, inclusive, a necessidade da realização de uma mastectomia (cirurgia de retirada dos seios). É importante também fazer com frequência uma observação e autopalpação das mamas através do autoexame. Tocar o próprio corpo ajuda a reconhecer sinais de possíveis mudanças na região das mamas importantes, como alteração na coloração da pele e o surgimento de nódulos, por exemplo.

Além disso, manter hábitos saudáveis, como uma dieta alimentar equilibrada, aliada à prática de exercícios físicos, ajuda a reduzir os riscos de desenvolver a doença. Já o tabagismo, o sedentarismo, a ingestão de bebida alcoólica, o sobrepeso e a obesidade após a menopausa têm efeito contrário e aumentam as chances.

A exposição frequente e excessiva às radiações ionizantes de exames raio x, mamografia e tomografia, por exemplo, também são fatores de risco – porém os exames devem ser feitos sempre que necessários. Mulheres com histórico familiar de câncer de ovário e mama, especialmente as com alterações genéticas herdadas nos genes BRCA1 e BRCA2, apresentam risco elevado e devem ter ainda mais atenção com as mamas.

Existem ainda outros fatores relacionados à reprodução e ao sistema hormonal que influenciam no desenvolvimento da doença. Apresentam mais risco mulheres que tiveram a primeira menstruação antes dos 12 anos, que não tiveram filhos, que a primeira gravidez tenha ocorrido após os 30 anos, que não tenham amamentado, que tenham entrado na menopausa após os 55 anos, que tenham feito uso de contraceptivos orais por um longo período ou reposição hormonal após a menopausa por mais de cinco anos.

Agora que você já sabe tudo sobre prevenção e a doença, cuide-se. Alimente-se bem, pratique exercícios, FAÇA o autoexame e frequente periodicamente seu médico de confiança.