O aumento do número de crianças classificadas como obesas só aumentou nos últimos anos em todo o mundo. No Brasil, inclusive, este número aumentou em mais de cinco vezes nos últimos 30 anos. A obesidade é uma doença que impacta o bem-estar físico, social e psicológico das crianças. Além disso, uma criança obesa apresenta maior risco de se tornar um adulto obeso e com complicações para a saúde. O combate à obesidade deve ser um esforço de todos que participam do cotidiano das crianças.

Antes de mais nada, é preciso incentivar uma alimentação equilibrada através da oferta de alimentos variados, como cereais integrais, frutas, verduras, legumes, lácteos, carnes, aves, peixes, ovos, castanhas, feijões e óleos vegetais. Também é essencial que as crianças convivam com pessoas que deem o exemplo, ou seja, os pais, educadores e colegas presentes na vida das crianças são fundamentais para mostrar que uma alimentação saudável é colorida, gostosa e boa para elas.

Abaixo, alguns mitos e verdades sobre alimentação e obesidade infantil:

  • A criança obesa será um futuro adolescente e adulto obeso?

MITO, afinal a obesidade pode ser reversível e combatida através do acompanhamento por profissionais de saúde, somada à educação alimentar e atividade física regular;

  • Uma criança precisa experimentar um alimento em torno de dez vezes para dizer que não gosta?

VERDADE, pois é preciso oferecer o alimento em diferentes preparações para a criança confirmar que não gosta daquele alimento (por exemplo: peixe assado com batatas, bolinho de peixe e cenoura, risoto de peixe com tomatinho, hambúrguer de peixe, etc.);

  • Para emagrecer é preciso cortar diversos alimentos da alimentação da criança como alimentos fontes de carboidratos e açúcares.

MITO, pois com a reeducação alimentar e nutricional, a criança pode aprender que é possível comer de tudo. Afinal, a alimentação, quando balanceada, fornece os nutrientes importantes para o crescimento e desenvolvimento adequado;

  • As crianças saudáveis são aquelas que comem alimentos variados?

VERDADE, pois não existem alimentos proibidos. A criança pode comer um pouco de cada tipo de alimento, desde que seja orientada a quantidade, a frequência e o momento adequado.

Além das dicas alimentares acima, não podemos nos esquecer que a prática regular de exercícios físicos também é muito importante para a saúde das crianças. Por serem crianças, elas naturalmente já se exercitam mais. De qualquer forma, é importante que os pais fiquem atentos à rotina de exercícios dos filhos.

Com alimentação balanceada e brincadeiras de montão, nossos pequenos terão muito mais chance de um futuro saudável, longe da obesidade.

Referências bibliográficas

  1. Sociedade Brasileira de Pediatria. Manual de orientação para a alimentação do lactente, do pré-escolar, do escolar, do adolescente e na escola/Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento de Nutrologia, 3ª. ed. Rio de Janeiro, RJ: SBP, 2012.
  2. World Health Organization. Report of the commission on ending childhood obesity. WHO Library Cataloguing-in-Publication Data. 2016.