As mulheres têm necessidades específicas inerentes aos sistemas exclusivos delas, como o reprodutor. A alimentação é uma das vertentes importantes para a saúde feminina.

Os hábitos alimentares contribuem com o bem-estar e a disposição necessários para as atividades do dia a dia. Uma dieta equilibrada pode contribuir com a saúde do corpo e da mente da mulher em todos os estágios da vida, como por exemplo:

  • Fase menstrual: como mensalmente perdemos sangue pela menstruação, há a constante preocupação com o consumo adequado de ferro. Esse mineral pode ser encontrado principalmente em alimentos de origem animal, como carnes bovinas.  
  • Fase pós-menopausa: pela diminuição da produção de hormônios, há um risco aumentado do desenvolvimento de osteoporose, caracterizada pela maior fragilidade dos ossos. Portanto, as mulheres devem consumir alimentos ricos em nutrientes importantes para a construção e manutenção dos ossos em todos os períodos da vida: cálcio, vitamina D, manganês, magnésio e fósforo.
  • Saúde das unhas e cabelos: o consumo adequado de proteína e de vitaminas do complexo B é essencial para a formação e manutenção da saúde das unhas e cabelos. Esses nutrientes são encontrados principalmente em carnes, ovos e lácteos.
  • Retenção de líquidos: algumas mulheres têm maior dificuldade de eliminar os líquidos do corpo, acumulando-os principalmente nas mãos, pernas e pés. Isso pode ser evitado com uma boa hidratação e uma alimentação sem excesso de sal e com a presença de alimentos fonte de nutrientes que contribuem com o equilíbrio do corpo — como, por exemplo, o potássio (peixes, feijões e frutas).
  • Funcionamento do intestino: para o intestino funcionar regularmente, é recomendado o consumo de alimentos ricos em fibras, como frutas, verduras, legumes e alimentos à base de cereais integrais. Além disso, é preciso se hidratar adequadamente.

Assim, é importante que as mulheres tenham hábitos alimentares que forneçam nutrientes e compostos importantes para garantir disposição e bem-estar para o cotidiano. Além da alimentação, é importante se exercitar regularmente. Que tal arriscar uns passos nas aulas de danças fitness?

Fontes: I. Rodrigues PR, Jorge SRPF. Deficiência de ferro na mulher adulta. São Paulo. Revista Brasileira de Hematologia. Hemoter. 2010; 32(2):49-52; II. Núcleo de Estudos e Pesquisa em Alimentação (NEPA). Tabela brasileira de composição de alimentos. TACO. Campinas: Unicamp. 2011; 4; III. Radominski SC e col. Osteoporose em mulheres pós-menopausa. Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia e Sociedade Brasileira de Reumatologia. 2002; IV. Peters BSE, Martini LA. Funções plenamente reconhecidas de nutrientes — Vitamina D. São Paulo: ILSI Brasil. 2014; V. Costa Izelda Maria Carvalho, Nogueira Lucas Souza-Carmo, Garcia Patrícia Santiago. Síndrome das unhas frágeis. An. Bras. Dermatol.  [Internet]. 2007, June;  82(3): 263-267; VI. Seshadri D, De D. Nails in Nutritional Deficiencies. Indian J Dermatol. Venereol. Leprol. 2012 May-Jun; 78(3):237-41; VII. Vannucchi H, Cunha SFC. Funções plenamente reconhecidas de nutrientes — Vitaminas do Complexo B: tiamina, riboflavina, niacina, piridoxina, biotina e ácidopantotênico. São Paulo: ILSI Brasil. 2009; VIII. Brescoll J, Daveluy S. A Review of Vitamin B12 in Dermatology. Am J Clin. Dermatol. 2015, Feb; 16(1):27-33; IX. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.  Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. X. NHS UK. Constipation. United Kingdom Government. Disponível em: http://www.nhs.uk/Conditions/Constipation/Pages/Causes.aspx  Acesso em 03/11/2015; XI. Better Health Channel. Fluid Retention. State Government of Victoria (Australia), 2014.  Disponível em: http://www.betterhealth.vic.gov.au/bhcv2/bhcpdf.nsf/ByPDF/Fluid_retention/$File/Fluid_retention.pdf; XII. Otten JJ, Hellwig JP, Meyers LD. Dietary Reference Intakes: The Essential Guide to Nutrient Requirements. Washington: National Academy of Sciences, 2006.